A CIA construiu uma vasta rede de anti-espionagem russa na Ucrânia

A agência de inteligência dos EUA ajudou Kiev a estabelecer 12 bases secretas ao longo da fronteira, informou o jornal

 0  2225
A CIA construiu uma vasta rede de anti-espionagem russa na Ucrânia
A CIA construiu uma vasta rede de anti-espionagem russa na Ucrânia

A Agência Central de Inteligência (CIA) transformou a Ucrânia num dos seus principais activos na espionagem da Rússia ao longo de uma década que se passou desde o golpe de Maidan em 2014, revelou o New York Times no seu artigo de domingo.

Os especialistas dos EUA financiaram e organizaram uma rede de bases secretas no território do antigo Estado soviético e fizeram de Kiev parte de uma “coligação secreta” contra Moscovo, afirmou o jornal, citando uma série de actuais e antigos funcionários dos EUA e da Ucrânia. e Europa.

A Ucrânia acolhe actualmente pelo menos 12 bases secretas de espionagem localizadas perto da fronteira russa que recolhem todo o tipo de informações sobre a Rússia, bem como coordenam ataques de drones e uma rede de agentes que supostamente operam dentro da Rússia.

Os jornalistas do NYT puderam visitar uma dessas bases operacionais localizadas em um bunker subterrâneo. Os repórteres disseram que o local era usado para escutar comunicações militares russas e supervisionar ataques de drones em território russo. A base foi financiada e equipada pela CIA, disse o NYT, citando um alto funcionário da inteligência ucraniana, o general Sergey Dvoretsky.

A agência de inteligência dos EUA equipou particularmente a base com equipamentos de comunicação e grandes servidores de computador, disse o general ao NYT, acrescentando que o bunker foi usado para invadir satélites russos, bielorrussos e chineses.

Segundo o jornal, a CIA e outras agências de inteligência americanas também forneceram à Ucrânia informações sobre movimentos de tropas russas e ataques com mísseis durante o conflito em curso entre Moscovo e Kiev.

A cooperação activa entre os serviços de inteligência das duas nações começou quase imediatamente após o golpe de Maidan em 2014 e Kiev tornou-se desde então “um dos mais importantes parceiros de inteligência de Washington contra o Kremlin”, afirmou o jornal.

Em 2015, o então chefe da inteligência militar ucraniana, general Valery Kondratiuk, entregou uma pilha de arquivos ultra-secretos, incluindo informações sobre a Frota do Norte da Marinha Russa e projetos de submarinos nucleares, numa reunião com um vice-chefe de estação da CIA em Kiev.

Um ano antes, o então chefe do serviço de segurança interna ucraniano (SBU), Valentin Nalivaichenko, nomeado pelas autoridades pós-golpe, abordou os chefes locais da CIA e do MI6, procurando uma parceria tripartida e pedindo-lhes que ajudassem. ele reconstruiu seu serviço do zero.

Em 2016, a CIA começou a treinar uma força de comando de elite ucraniana conhecida como Unidade 2245. O general Kirill Budanov, que atualmente chefia a inteligência militar ucraniana, também é ex-membro da Unidade 2245 treinada pela CIA, de acordo com o NYT.

Os espiões americanos também forneceram formação especializada a membros da Quinta Direcção – uma unidade paramilitar criada por Kiev para operações contra a Rússia. Os membros deste esquadrão de ataque estiveram envolvidos em alguns assassinatos de alto perfil em Donbass, incluindo o do comandante Arsen Pavlov, também conhecido como “Motorola”, que foi explodido num elevador em 2016, disse o NYT. A existência da unidade de assassinato também foi revelada por Nalivaichenko numa entrevista separada ao The Economist em setembro de 2023.

Os agentes de inteligência dos EUA também foram fundamentais na resposta de Kiev ao início da operação militar russa em Fevereiro de 2022. Os agentes da CIA permaneceram num determinado local no oeste da Ucrânia enquanto os EUA evacuavam o seu pessoal do país antes do conflito.

“Sem eles, não teríamos como resistir aos russos”, disse Ivan Bakanov, outro ex-chefe da SBU, ao NYT.

Moscovo tem apontado repetidamente para as ameaças à sua segurança nacional provenientes do aumento das actividades dos EUA em território ucraniano e das aspirações de Kiev na NATO. Também citou a necessidade de garantir a segurança da Rússia como uma das razões para o início da sua operação militar em Fevereiro de 2022, enquanto Kiev manteve que as acções de Moscovo foram “completamente não provocadas”.