Tribunal do Brasil vota para barrar Bolsonaro das eleições até 2030

Um painel de juízes votou para tornar o ex-presidente de extrema-direita brasileiro Jair Bolsonaro inelegível para concorrer novamente depois de concluir que ele abusou de seu poder e lançou dúvidas infundadas sobre o sistema de votação eletrônica do país

 0  1991
Tribunal do Brasil vota para barrar Bolsonaro das eleições até 2030
Tribunal do Brasil vota para barrar Bolsonaro das eleições até 2030

Um painel de juízes votou na sexta-feira para tornar o ex-presidente de extrema-direita brasileiro Jair Bolsonaro inelegível para concorrer ao cargo novamente depois de concluir que ele abusou de seu poder e lançou dúvidas infundadas sobre o sistema de votação eletrônica do país.

A decisão, uma vez concluída a votação de todos os juízes, proibirá Bolsonaro de concorrer até 2030, derrubando o futuro político do jovem de 68 anos e provavelmente apagando qualquer chance de ele recuperar o poder.

Quatro dos sete juízes do mais alto tribunal eleitoral do país concordaram que Bolsonaro abusou de sua autoridade usando canais de comunicação do governo para promover sua campanha e semear dúvidas sobre o voto.

“Essa decisão vai acabar com as chances de Bolsonaro de ser presidente novamente, e ele sabe disso”, disse Carlos Melo, professor de ciência política da Universidade Insper em São Paulo. “Depois disso, ele tentará ficar fora da prisão, eleger alguns de seus aliados para manter seu capital político, mas é muito improvável que ele volte à presidência.”

O caso se concentrou em uma reunião de 18 de julho de 2022, onde Bolsonaro usou funcionários do governo, o canal de televisão estatal e o palácio presidencial em Brasília para dizer aos embaixadores estrangeiros que o sistema de votação eletrônica do país foi manipulado.

“Bolsonaro abusou dos poderes de seu escritório convocando a reunião: verifique. Ele usou funcionários do governo e edifícios com um objetivo eleitoral: verificar. E ele misturou os interesses do país com os de sua campanha: verifique”, disse Márlon Reis, um especialista em direito eleitoral que ajudou a elaborar as disposições de inelegibilidade.

Bolsonaro poderá recorrer à Suprema Corte. Ele também enfrenta outros problemas legais, incluindo investigações criminais.

Falando na quinta-feira com repórteres em Brasília, Bolsonaro foi desafiador.

“Isso é uma injustiça contra mim, meu Deus no céu! Mostre-me algo concreto que fiz contra a democracia”, disse ele. “Talvez meu crime tenha feito a coisa certa por quatro anos.”

Em uma entrevista no início desta semana, Bolsonaro reconheceu que suas chances de prevalecer eram pequenas. A decisão o removerá das eleições municipais de 2024 e 2028, bem como das eleições gerais de 2026. Futuras condenações criminais poderiam estender sua proibição por anos e sujeitá-lo à prisão.

O ex-presidente Fernando Collor de Mello e o atual presidente Luiz Inácio Lula da Silva foram declarados inelegíveis no passado, mas o caso de Bolsonaro marca a primeira vez que um presidente é suspenso por violações eleitorais em vez de uma ofensa criminal. A lei brasileira proíbe candidatos com sentenças criminais de concorrer ao cargo.

A elegibilidade de Lula foi restabelecida pelo mais alto tribunal do Brasil após decisões que o então juiz e agora o Sen. Sergio Moro foi tendencioso quando condenou o líder esquerdista a quase 10 anos de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro.

Falando antes da votação do tribunal, o legislador Carlos Jordy, um aliado acerrado de Bolsonaro, disse que o ex-presidente ainda esperava “uma mudança drástica” do tribunal. No entanto, Jordy disse que já estava contemplando um futuro sem Bolsonaro como o porta-estarma da política brasileira de direita.

“Mesmo que eles cometam essa injustiça, que não tem precedente no tribunal eleitoral, Bolsonaro continua sendo a maior figura política do Brasil”, disse Jordy em uma entrevista por telefone.

Bolsonaro ocupa um papel de liderança cerimonial dentro de seu Partido Liberal e viajou pelo Brasil criticando Lula, que venceu a eleição de outubro passado com a margem mais estreita em mais de três décadas.

O julgamento reenergizou a base de Bolsonaro on-line, com apoiadores alegando que ele é vítima de um sistema judicial injusto e comparando seu destino ao do ex-EUA Presidente Donald Trump, de acordo com Marie Santini, coordenadora do NetLab, um grupo de pesquisa da Universidade Federal do Rio de Janeiro que monitora as mídias sociais.

No entanto, o engajamento empalidece em comparação com os níveis vistos antes da eleição polarizadora do ano passado.

Esta semana, seus apoiadores mostraram seu apoio contínuo com contribuições para ajudá-lo a pagar 1,1 milhão de reais (cerca de US$ 230.000) em multas impostas pelo governo do estado de São Paulo pelas repetidas violações de Bolsonaro aos protocolos de saúde durante a pandemia de COVID-19.