Como as máscaras hiper-reais continuam enganando as pessoas Real ou Falso?

Os cientistas afirmam que as máscaras de silicone 'hiper-realistas' agora são tão convincentes que uma em cada cinco pessoas não consegue diferenciá-las dos rostos humanos.

 0  2496
Como as máscaras hiper-reais continuam enganando as pessoas Real ou Falso?
Como as máscaras hiper-reais continuam enganando as pessoas

Máscaras de silicone hiper-realistas agora estão sendo feitas tão realistas que uma em cada cinco pessoas não consegue distingui-las do rosto de uma pessoa real em situações de fração de segundo, descobriu um estudo.

As máscaras faciais assustadoras são projetadas para serem totalmente realistas, completas com sardas, rugas e pêlos faciais — e sua qualidade de produção continua a melhorar.

No entanto, os especialistas temem que, à medida que as máscaras — que atualmente são vendidas por cerca de R$ 1.000 (R$ 1.290) — fiquem mais baratas, seu uso como disfarces para criminosos possa se tornar comum.

Os fraudadores já estão usando máscaras para tais fins.

Em 2015, por exemplo, um infrator enganou inúmeras vítimas na soma de milhões de libras, personificando um funcionário francês.

Em seu estudo, os psicólogos também observaram que os voluntários tiveram mais problemas para diferenciar rostos reais e máscaras realistas de uma corrida diferente para os participantes.

Veja abaixo o vídeo.

O psicólogo Rob Jenkins, da Universidade de York, e colegas pediram a 120 voluntários no Reino Unido e no Japão que olhassem pares de fotografias.

Os participantes tiveram que decidir qual imagem era a de um rosto real e qual mostrava uma pessoa usando uma máscara hiper-realista.

Para um teste de controle, os pesquisadores também incluíram máscaras óbvias — como aquelas que podem ser usadas em uma bola mascarada.

A equipe descobriu que as pessoas foram enganadas pelas máscaras realistas por volta de um quinto do tempo — confundindo-as com um rosto real.

O Dr. Jet Sanders, autor principal da London School of Economics and Political Science, disse: 'Quando os participantes receberam um limite de tempo de 500 milissegundos por emparelhamento, a identificação da máscara de cada par foi mais lenta para máscaras de alto realismo do que para máscaras de baixo realismo (300 ms).'

Eles também observaram que as pessoas eram 5% menos precisas em distinguir as máscaras hiper-reais de rostos reais se fossem de uma raça diferente do participante individual em questão.

"Nós deisamos claro aos espectadores que a tarefa deles era identificar a máscara em cada par de imagens. Exemplos de máscaras foram mostrados antes do início do teste', explicou o Dr. Jenkins.

"A taxa de erro do mundo real provavelmente será muito maior porque muitas pessoas podem nem estar cientes de que existem máscaras hiper-realistas e é improvável que estejam cuidando delas", acrescentou.

"A geração atual de máscaras é realmente muito realista - com a maioria das pessoas lutando para disterar um rosto artificial da coisa real."

Os disfarces faciais não são um problema novo, observam os pesquisadores, mas acrescentam que "o nível de realismo que é alcançável com essas máscaras levanta novas questões".

O que acha? Deixe seu comentario abaixo.