O primeiro túnel do mundo para uma câmara de magma pode liberar energia ilimitada

Na Islândia, os cientistas estão planejando perfurar dois furos em um reservatório de rocha líquida. Um nos dará nossas primeiras medições diretas de magma - o outro poderia sobrecarregar a energia geotérmica

 0  2000
O primeiro túnel do mundo para uma câmara de magma pode liberar energia ilimitada
O primeiro túnel do mundo para uma câmara de magma pode liberar energia ilimitada

A ISLÂNDIA é um dos países mais chatos do mundo. Isso é um elogio, não um insulto. A nação insular é pontilhada com milhares de furos perfurados profundamente na rocha para extrair energia geotérmica.

 Eles em breve serão acompanhados por outro, o que será tudo menos chato. "Vamos perfurar uma câmara de magma", diz Hjalti Páll Ingólfsson no Geothermal Research Cluster (GEORG) em Reykjavík. "É a primeira viagem ao centro da Terra", diz seu colega Björn Þór Guðmundsson.

Bem, não é bem o centro. Algumas câmaras de magma - reservatórios subterrâneos de rocha fundida - ficam a apenas alguns quilômetros abaixo da superfície da Terra, colocando-as ao alcance das brocas modernas. Eles ocasionalmente vazam magma para a superfície, onde vomita como lava.

Isso é exatamente o que estava começando a acontecer, com um efeito espetacular e devastador, ao redor da cidade de Grindavík, no sul da Islândia, à medida que esta história foi para a imprensa. O problema é que normalmente não sabemos onde ficam as câmaras de magma. “Nenhuma técnica geofísica foi demonstrada para localizar satisfatoriamente reservatórios de magma”, diz John Eichelberger, da Universidade do Alasca Fairbanks.

A descoberta de uma câmara de magma perto do vulcão Krafla, no nordeste da Islândia, abriu novas portas para a pesquisa geotérmica. Krafla, um dos vulcões mais ativos do mundo, está localizado sobre a crista médio-atlântica onde as placas tectônicas da Eurásia e da América do Norte divergem. Ele entrou em erupção 29 vezes desde o século 9, com a atividade mais recente ocorrendo entre 1975 e 1984. Esse período, conhecido como os fogos de Krafla, foi extensivamente estudado por vulcanologistas, incluindo Katia e Maurice Krafft.

Esses estudos levaram à identificação de uma potencial câmara de magma sob Krafla, estimada estar entre 3 a 7 quilômetros de profundidade. Ondas sísmicas da atividade tectônica durante as erupções revelaram “sombras” indicando possível absorção por uma substância líquida, provavelmente magma. Essa descoberta foi crucial para orientar os esforços de perfuração subsequentes.

O Icelandic Deep Drilling Project (IDDP), um consórcio de entidades industriais e governamentais, iniciou a perfuração em 2000 para explorar o potencial de aproveitamento da água supercrítica para energia geotérmica.

A perfuração, conduzida pela principal empresa de energia da Islândia, Landsvirkjun, visava alcançar uma profundidade de 4000 metros, mantendo uma distância segura da localização presumida da câmara de magma. No entanto, em 2009, a uma profundidade de aproximadamente 2104 metros, a broca penetrou inesperadamente em uma câmara de magma, evidenciada pela facilidade súbita de perfuração e pela descoberta de obsidiana nas amostras do furo.

Este encontro acidental com magma não foi um incidente isolado. Eventos semelhantes ocorreram na caldeira Menengai no Quênia e no vulcão Kīlauea no Havaí, demonstrando a viabilidade e segurança da perfuração em câmaras de magma sem desencadear erupções. O poço de Krafla foi posteriormente usado para geração de eletricidade por nove meses, alcançando uma temperatura de cabeça de poço de 450°C antes de ser desligado devido a problemas de superaquecimento.

Com base nessas experiências, o projeto Krafla Magma Testbed (KMT) foi estabelecido em 2014. Seu objetivo principal é perfurar a câmara de magma para exploração científica, com planos de iniciar a perfuração em 2026. O projeto visa aprimorar o entendimento fundamental das câmaras de magma, crucial para compreender as atividades vulcânicas. Os insights obtidos com este projeto são esperados para se estender além da geologia, oferecendo potencialmente caminhos para energia limpa, barata e ilimitada.